20 de abr de 2010

Cuidados ao ticotar e crochetear

Tricotando com saúde
Já fazia um tempo que eu queria postar esta matéria, que achei de suma importância para nós que gostamos de tecer...da revista manequim por Milaydi Que tricotar é um vício quase incurável não há como negar. Quem se apaixona e se vicia nesta arte tricota todos os dias, várias vezes ao dia, o dia todo, faça chuva ou faça sol. Tem sempre no mínimo dois projetos em andamento. Sem contar o arsenal de fios e receitas em todos os espaços disponíveis da casa (e muitas vezes nem tão disponíveis). Enquanto tece, esquece da vida e beira ao transe provocado pela sincronia de movimentos das agulhas e fios. Uma auto-hipnose, provocada pelo tilintar das agulhas e por pontos “dançando” freneticamente de um lado para o outro, de uma agulha para a outra. Sentadinhas, nem sempre de maneira correta, tricoteiras-arteiras, compulsivas como eu, ficam na mesma posição por horas e...No dia seguinte acordam com dores no pescoço, nas mãos, nos punhos e nos braços. Tricotar diariamente faz parte da rotina de muitas arteiras, mas é preciso ficar atenta a alguns hábitos compulsivos que cultivamos. Talvez o pior deles seja tricotar durante horas a fio sem dar a devida atenção às dores que costumam aparecer após um longo período de “transe tricotístico”. Dores são, no geral, um sinal de que algo não está certo. Então, vamos combinar: ao primeiro sinal de desconforto ou dor, dê um tempo para o “seu tricô” descansar. Algumas mudanças de hábitos podem ajudar a minimizar esse desconforto ou a fadiga das costas, mãos, punhos e braços. Relaxar e alongar são as palavras chave. Fora isso, sentar-se de maneira correta, sobre os glúteos e não sobre a base da coluna, evita que você force a região lombar. Relaxada sempre, largada no sofá, nunca. Como nem todo mundo dispõe de tempo para tecer durante o dia, privilegiando-se da iluminação natural, ao utilizar iluminação artificial, procure posicioná-la acima dos seus ombros e direcioná-la para o seu trabalho. Se estiver trabalhando com fios escuros, coloque uma fralda de pano ou outro tecido de cor clara embaixo do tricô. Evite as toalhas felpudas, pois poderão soltar fiapos na sua arte. Se você costuma tecer trabalhos maiores, como pulôveres, casacos e mantas, tente se acostumar a tecer utilizando agulhas circulares em vez das agulhas retas. A agulha circular distribui uniformemente o peso do trabalho e não sobrecarrega os punhos. A cada meia hora, mais ou menos, levante-se, espreguice-se bem devagar, estique-se. Massageie os punhos, antebraços e braços. • Guia prático de exercício da tricoteira arteira feliz e sem dores E mais um lembrete: se as dores persistirem, procure orientação médica, pois podem ser um reflexo de lesões.Bom tricô e até a próxima Revista manequim Por Milaydi

Nenhum comentário: